18.1 - Deambular

Por vezes pensamos que não ter horários a cumprir, tarefas a desempenhar, justificações a dar, compromissos a atender; seria motivo para vivermos a vida de uma forma mais livre. No entanto, isso não acontece com todas as pessoas que não têm as "obrigações" indicadas, pois isso está de certa forma reservado para aqueles que, como se costuma dizer, nasceram em berços de ouro, já que se podem dar ao luxo de levar uma vida livre de preocupações dignas desse nome.
Recentemente tive a oportunidade de observar alguém que caminhava sem rumo definido. Uma caminhada ao acaso que era fruto de uma necessidade. Uma caminhada repleta de tristeza e ao mesmo tempo desamparo. Por falta de coragem não fiz o que me apetecia fazer, que era chegar à fala com a pessoa em causa e perguntar se precisava de ajuda, tentar perceber o porquê de tal desamparo. Não me parecia que se tratasse de um caso de uma pessoa que estivesse nessa deambulação por estar relacionado com problemas de alcoolismo ou drogas, como infelizmente se torna cada vez mais comum nas cidades de hoje em dia. Não que esses também não precisem de ajuda ou não despertem por vezes a vontade de querer perguntar se precisam de ajuda. Pergunto-me se voltarei a ver tal pessoa e se será nas mesmas circunstâncias. Acredito que se tal acontecer, possivelmente
não conseguirei dizer nada novamente, pois já sei que a minha timidez será, como habitualmente, uma espécie de entrave. Ver tal caminhar sem propósito deixou-me o sabor da angústia resultante do receio de um dia ter que passar pelo mesmo. Não sabemos o que o futuro nos reserva. É daqueles momentos em que temos necessariamente de dar valor à nossa condição, em que nos lembramos que por vezes nos queixamos ou reclamamos sem necessidade, nos lembramos que afinal de contas aquilo que por vezes pensamos ser pouco, já é luxo.


Comentários

  1. Já me aconteceu o mesmo. E nada fiz, não só por timidez, mas também pelo medo de ser repelida pela intromissão na vida dessas pessoas.

    Nunca sabemos o que o futuro nos reserva. E nunca estamos preparados... Há dois anos a esta parte, deixei de reclamar, apenas agradeço o bem que tenho.

    Continuo a apreciar as tuas propostas musicais. Lindas!
    Boa semana :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, isso é verdade, pois nem sempre sabemos qual a reacção das pessoas em relação à nossa possível intromissão! Mas isso por outro lado é o que origina a tal timidez que faz parte do processo.

      Nunca fui de reclamar muito ou de ignorar em demasia as coisas que, mesmo não sendo grandiosas ou extraordinárias, fui alcançando ao longo da vida, pois reconheço que há que ser humilde! Por outro lado há também que ter a capacidade de conseguirmos traçar objectivos, metas a alcançar para nos sentirmos mais realizados....e isso nem sempre conseguimos fazer.

      Obrigado pela visita e por apreciares as músicas!

      Já que desde há algum tempo para cá as palavras que aqui deixo vão sendo poucas, ao menos vou tentar preencher este espaço com mais alguma sonoridade.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

José Luis Peixoto - Cal

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

17.23 - Memórias de um Amigo Imaginário - Mathew Dicks