Will Grayson e Will Grayson


Um nome, um destino... é mais ou menos o lema desse livro que conta com a participação de John Green e David Levithan (nunca tinha lido nada deste autor). Não recomendo a continuação da leitura deste post para quem pretende ler o livro, pois é capaz de ser um texto tipo spoiler...não que eu vaia contar especificamente muito do acerca do que acontece no livro, mas ainda assim...

O livro e a história em si acabaram por ser uma surpresa, nem sempre agradável dado que por vezes o livro mais parece uma comédia romântica g.a.y. (CRG) e não era bem isso que estava à espera, pois não previa nada disso quando li a sinopse deste livro, que diz o seguinte:

Evanston não fica muito longe de Naperville nos subúrbios de Chicago, mas os jovens Will Grayson e Will Grayson bem que podiam viver em planetas diferentes. Quando o destino os leva à mesma encruzilhada, os Will Graysons veem as suas vidas a sobreporem-se e a seguirem novas e inesperadas direções. Com um empurrão de amigos novos e velhos - incluindo o enorme e enormemente fabuloso Tiny Cooper, jogador ofensivo na equipa de futebol americano da escola e autor de musicais - Will e Will embarcam nas suas respetivas aventuras românticas e na produção épica do musical mais extraordinário da história.


Felizmente o livro é mais do que isso, do que uma CRG, e consegue ser divertido, cómico e focar-se noutros aspectos que podem estar relacionados um pouco com todos nós como é a questão da amizade, o amor e a forma como nso relacionamos com as outras pessoas. Dispensava talvez o excesso de glee que pode estar presente em alguma parte do livro, mas repito, isso não faz com que se queira deixar de o ler por causa disso, pois deve-se considerar que isso faz parte do conjunto. As personagens em si são, em alguns aspectos, as típicas personagens adolescentes de John Green, mas, com a participação de David Levithan, há algumas diferenças e alguns aspectos que se calhar não são muito frequentes nas histórias de John Green e creio que isso foi fundamental para a criação de dois Will Graysons (claro que pode-se também colocar a questão que é o mesmo que criar duas personagens diferentes e atribuir-lhes o mesmo nome)!
É interessante a forma como o livro está organizado, pois cada capítulo é escrito na perspectiva de cada Will Grayson e é escusado dizer que é com expectativa que aguardamos o momento em que os dois Will Graysons se vão cruzar e que impacto terá esse acontecimento no decorrer das histórias das personagens e do livro em geral. Creio que foi bem conseguida a colaboração destes dois autores visto que ambos tiveram certamente que moldar as várias personagens e conseguir uma interacção "realista" entre elas.


Infelizmente parece-me (isto a julgar pelas tentativas de criarem trailers para o livro e tentarem atribuir caras às personagens com recurso a fotos de actores ou actrizes) que o livro possa ser demasiado utilizado como um voto à homossexualidade (homofobia à parte claro).

Comentários

  1. Esse devo de ler depois do "End game". Quanto aos rótulos que as histórias possam aparentar ter ligo não, é sobre pessoas e isto basta-me.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante