Outrora



Outrora...era capaz de caminhar na tua direcção para poder trocar um cumprimento e algumas palavras, seria um bocado de tempo bem passado, mas hoje, hoje parece que há um vazio que o tempo se encarregou de encher. Poderia na mesma caminhar na tua direcção e trocar um cumprimento, mas...e depois? Falaríamos sobre o tempo?! Falaríamos sobre as péssimas e já aborrecidas notícias que nos perseguem diariamente?! Falaríamos sobre nada?! Talvez utilizássemos palavras de silêncio que poderiam parecer gritos ou um giz a passar num quadro de pedra devido ao seu constrangimento. Seria terrível se fosse isso que acontecesse todas as vezes que as pessoas que se conhecem, por algum motivo seguissem na direcção para a qual podia haver  uma placa apontando e que dizia "Evitar". Infelizmente as relações entre as pessoas podem ser como um monte de neve que acaba por se derreter e transformar em água para depois ser evaporada, sugada pelo ar tornando-se em algo quase abstracto. Será esse sentimento mutuo? É bem possível que sim...

Comentários

  1. Os relacionamentos são o que são....e os SE's do mesmo têm uma hora em que deixa de fazer sentido, pode parecer cliché, mas existe uma coisa que se chama move on, esperando apenas que a Vida te contemple com a capacidade de acreditar na neve do amor, mas aquela em que se faz flocos harmoniosos à janela, e ela está ali, é real, e repete-se por motivo. Todo a água já chorada e evaporada é a possibilidade de sorrir de novo!

    ResponderEliminar
  2. Interessante a interrogação que te colocas e que tantas vezes assola alguns de nós.

    Eis porém que sempre suponho e quero crer que na dúvida, arrsica-se.

    Quem sabe o outro eu terá muito mais para dizer do que falar do tempo, ou das notícias, ou mais do que nada, falar de afectos...

    Um beijo
    (gostei do que escreves)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante