Never let me Go

Todos nós, ou pelo menos quase todos nós, gostamos de acreditar que a nossa vida tem um propósito e que está nas nossas mãos defini-lo e construí-lo ao longo do tempo que nos foi premiado e cuja quantidade não fazemos a mais pequena ideia. Tentamos completar-nos todos os dias com alguma coisa nova, com novos desafios, reformulando pensamentos, revisitando memórias, viajando nos sonhos e fazendo planos. Por mais pequeno que seja o fragmento que adicionamos a nós próprios, vamos dando forma à nossa personalidade e vamos tentando "viver" em vez de apenas "existirmos", vamos tentando estar presentes neste mundo de uma forma voluntária e consciente. Como seria se soubessemos ou descobríssemos que tínhamos sido criados, naturalmente ou artificialmente, para cumprir um objectivo e que estava fora do nosso alcance ignorá-lo, sendo que este objectivo tinha uma data marcada que seria o dia do fim da nossa vida?! Como seria viver com o nosso bilhete de ida, sem volta, sempre guardado no bolso lembrando-nos que dentro de alguns anos teríamos de nos despedir?! Que coisas iríamos querer fazer até chegar àquela fatídica data? Que pessoas gostaríamos de conhecer? Que locais gostaríamos de visitar?...ou será que acabaríamos por baixar os braços e deixaríamos de lutar porque talvez não valesse a pena o esforço?!


Never Let me Go é um filme excelente que confronta a simplicidade da vida com a sua complexidade...e porque apesar de podermos (pessoas como as que encontramos no filme) ser "treinados" para ignorar o mundo real, quando os sentimentos explodem dentro de nós, nasce uma luta interna que requer muita força a coragem para não a perder...



Comentários

  1. Fiquei curiosa com o filme...

    Gostei do fragmento...

    A propósito, só passei por aqui para dizer que já li o Marina...

    ADOREI...

    A magia, o mistério e o fantástico... Envolvente, envolvente, envolvente.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não