Conviver

Admiro o mundo, as pessoas, as amizades, os convívios, as relações, a liberdade de viver vivendo a vida, no entanto, não são poucas as vezes que as pessoas se remetem para o seu canto onde supostamente se sentem seguras, e, de certa forma, satisfeitas. Satisfeitas com essa paz, sem perturbações, inquietações, satisfeitas com o seu sentimento de controlo onde não existem situações de ansiedade e desconforto perante o desconhecido. No entanto, há alturas em que isso não é suficiente, estes são os dias do avesso, e essas pessoas acabam por se aperceber de que afinal se trata de uma satisfação que finda numa espécie de vazio e emerge uma necessidade de comunicar, expressar, conviver... isso é a nossa necessidade, e razão ao mesmo tempo, de estarmos de algum modo interligados, cresce em nós uma fome de partilha. Uma partilha que transforma tudo aquilo que gostamos de viver na companhia de mais alguém, em algo verdadeiramente especial. Muitas vezes a simples presença de alguém é capaz de tornar tudo diferente.

Comentários

  1. ... suponho que algumas dessas pessoas que 'se remetem para o seu canto' não o fazem por uma questão de segurança.
    Mas poucas são as pessoas, nos dias que escorrem por dentro de nós, que se aventuram de alma translúcida para esse sentimento de 'partilha' que aqui falas...
    Verdade, esse sentimento quando real, é um sensação de bem estar intimista, de alegria interiorizada que se projecta em cada gesto nosso.

    Fiquei muito feliz por ver que voltaste a escrever :)
    Um beijo,

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não