Um pensamento, uma intuição, um sonho


Nunca pensei que seguir um pensamento, uma intuição ou um sonho me pudesse arrastar para tão longe. É como se a minha razão fosse invadida por uma hera que cresce desmesuradamente, atacando-me sempre que me apanha distraído, independentemente da cor do céu ou do local onde me encontro. Tinha a perfeita noção que as batalhas entre o pensar e o sentir não eram fáceis de ultrapassar, mas quando esses dois factores se encontram deturpados, as dificuldades ganham novas dimensões e é como se fosse arrastado por uma corrente que me leva não sei para onde, só sei que não é para nenhum lugar seguro. Resta a todo o custo conseguir encontrar algo/alguém que possa segurar o meu braço e evitar o pior. Hoje, a minha noção está modificada e já não sei o que pensar em relação a isso. Quando penso que já estou com os pés em terra firme, seguro e confiante, eis que surge outra intempérie e vejo-me novamente a tentar encontrar chão debaixo dos pés.

O meu porto seguro são os momentos de lucidez que me permitem viver o mundo real sem que outra dimensão, ou mundo paralelo, tenha uma existência perturbante e destruidora, mesmo que imaginária. Nesse mundo paralelo sinto-me desprotegido, ameaçado, vulnerável, ridiculo e decadente... abro o olhos e sinto a vergonha de ter sido induzido por um pensamento, uma intuição ou um sonho.

Comentários

  1. Adorei o texto mesmo, identifiqei.me imenso com ele fazendo.me lembrar de certos tempos, tem muita qualidade ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não