Cinzas

Embebido em movimentos e olhares de indiferença, cada gesto teu podia ter o sabor da água, mas por vezes sabe a vinagre e é como combustível que derrama sobre o fogo e alteia as chamas de algo que arde e volta a arder, sem nunca se apagar totalmente. Dentro das cinzas, aparentemente geladas, há sempre um calor pronto a emergir, fazendo da cor da lava, a cor da vida e em simultâneo a cor da morte, do perigo. Sim, porque é certo e sabido que vivemos no meio das antíteses e nelas temos de encontrar o meio-termo entre o acreditar e o não acreditar, entre o lutar e o desistir, entre o andar e parar. Mas parar para quê?! Para pensar? Para descansar? Para fechar os olhos e cair num sono profundo onde o corpo se estende na segurança do escuro, do vazio, do silêncio, da solidão que mata e dá vida?! As horas passam e reabrimos os olhos e cá estamos outra vez, ligamos a música e subimos no carrossel, andamos às voltas em chávenas de café ou em cavalos que não sabem se riem ou se estão ferozes.

Comentários

  1. "Dentro das cinzas, aparentemente geladas, há sempre um calor pronto a emergir,(...)andamos às voltas em chávenas de café ou em cavalos que não sabem se riem ou se estão ferozes."

    Guardo as palavras, amigo. Muito. Abraço-te muito

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não