Contagens descrescentes

Venho aqui marcar presença neste mês de Agosto, mês de férias para muitos, para outros é o mês e regresso ao trabalho ou então o mês que antecede o tão esperado período de férias. Por esse, e outros motivos de ordem maior, também pode ser considerado o mês em que entra em fase de aceleração, diversas contagens decrescentes, como se estivesse descalço numa rampa molhada e cheia de limos ou como se tudo estivesse associado à sua própria ampulheta. Ir aqui, ir acolá, fazer isso, fazer aquilo, pensar nas hipóteses, considerar as mudanças, preparar para o desconhecido, viver momentos de ansiedade, momentos de alegria momentânea resultante de fragmentos de mini-sonhos que piscam de quando em quando na nossa mente como se fossem o flash de uma máquina fotográfica. Ao mesmo tempo que o a areia vai derramando e as datas limites vão sendo alcançadas, tenta-se viver o dia-a-dia da forma mais normal possível, como o equilíbrio necessário e indispensável.
Infelizmente também para este texto havia um tempo limite para o terminar e porque os minutos e segundos já se esgotaram irei colocar agora um ponto final neste texto e partir para a próxima meta, já que ao mesmo tempo que se alcança uma muitas vezes deixamos duas ou três para trás.

Comentários

  1. Fiquei sem perceber se estás de ferias ou nao, mas ainda assim e como sempre, o texto está com sabor a maresia e obrigado por teres "vindo aqui" :)

    Aquele abraço :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante