Philippe Jaroussky

Naqueles momentos senti-me minúsculo como uma formiga, insignificante como um fio de cabelo e transparente como um vidro, mas mesmo assim senti-me vivo! Senti-me vivo porque o que me fazia sentir pequeno e invisível não era aquilo que me fazia sentir bem, não era aquilo que faz parte do grupos de coisas que para mim constituem motivos, razões, âncoras para permanecer nos portos da vida.
Por vezes, basta estar perante algo que me leva para um outro lugar, tão distante e tão próximo das portas do mundo cujo chão piso todos os dias, um lugar físico e ao mesmo tempo um lugar que não existe, mas que se sente e se vive. Vive-se porque naquele momento somos capazes de acreditar, valorizar e transformar o talento dos outros em algo que nos dá prazer, algo que nos enche a alma e nos fazem sentir gigantes. Gigantes porque precisamos de todo esse espaço para armazenar aqueles sentimentos que nos enchem e se expandem durante aqueles momentos. Mesmo que sejam apenas por uns minutos ou um par de horas...é satisfatório...o tempo que for possível estar presente e apreciar esse mundo à parte é satisfatório.

Comentários

  1. E o que é a vida se não forem este momentos?

    ResponderEliminar
  2. Gosto da tua maneira de escrever...Usas muito a comparação através de simbologismos, o que a torna agradável de ser lida.
    Deixo-te porém uma critica constructiva:tenta sair da tua zona de conforto (eu próprio deveria de fazer o mesmo)...

    Vais ver que te irás valorizar a ti proprio!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. O dia em que me vou sentir gigante deve estar para vir, mas será que neste caso a epserança tem algum cabimento? Pensamento positivo poderia fazer a grande diferença, mas o problema é o açucar que as tais formigas gostam...

    Abraço,
    Carlos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

17.1 - Ilusões