O regresso do respiradouro

Hoje deixo aqui mais uma das excelentes cenas desta série [mesmo que aquilo que esteja por detrás das imagens seja algo triste]. E para quem a acompanha não será necessário fazer grandes comentários acerca desse já conhecido respiradouro e o seu significado. Agora, quando o respiradouro já parecia estar um pouco esquecido, eis que ele surge novamente como se fosse um toque de mestre, e tal como a cena mostra, nem sempre são precisas palavras para percebermos o que nos querem dizer ou para fazermos os outros perceberem o que queremos dizer. Eu pessoalmente tenho tendência em fazer perder as palavras que tenho e já o faço quase inconscientemente, é como se as encontrasse dentro de mim e não conseguisse fazer nada com elas porque não arranjo maneira de as tirar do meio da confusão, quase ao ponto de me engasgar com elas. É como se estivesse a comer uma ameixa e a pevide ficasse presa na minha garganta. Um respiradouro era capaz de ser o que faltava para fazer as palavras verem a luz do dia.



Mesmo sabendo que o meu silêncio por vezes não é mais do que uma solução para evitar a tempestade que pode estar a caminho, sei que muito provavelmente é uma solução temporária. As nuvens aguentam muita água, mas chega o dia em que elas estão sobrecarregadas e não aguentam mais, libertando assim tudo o que suportaram ao longo do tempo, libertando os seus sentimentos em forma de tempestade.

Comentários

  1. :-) já cá volta, apenas li o texto, não vi o video porque daqui a pouco é que vou ver o episódio mas se envolve o respiradouro e a Izzie só podes significar uma coisa...uma cena excelente!!!

    *Hugs n' smiles*
    Carlos

    ResponderEliminar
  2. :-) mais uma vez o respiradouro é o local para cenas memoráveis.

    Mais palavras para quê. Depois do Dr. Hunt e da Yang a Izzie também encontro um local especial...

    *Hugs n' smiles*
    Carlos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante