Campos abertos ao céu

Depois de tanto tempo sem por cá os pés, decidi que era finalmente altura de visitar o meu blog e arrancar as ervas e os paranhos que foram crescendo ao longo destes dias de abandono que se passaram. Como se se tratasse de estar numa divisão sem tempo e sem espaço, é assim que vejo as palavras que hoje ficam aqui, que têm como função apenas marcar presença, marcar uma existência. Uma existência que é como estar nessa tal divisão que só existe porque nós existimos e que ao mesmo tempo é nada e é tudo. Tudo o que temos.

No delineamento dos dias que se passaram, posso dizer que, foi como estar no meio de campos abertos ao céu e montanhas, onde os espaços planos se fundiam com subidas e descidas que tinham de ser exploradas. E como tudo o que fazemos, e tudo o que nos fazem, faz parte da vida, o que é preciso fazer é pegar nisso e transformar isso em experiência de vida. Aprender a saber que quando subimos podemos descer e que quando descemos podemos encontrar um nova subida e que nen sempre estamos sós, quer para o bom, quer para o mau.

Comentários

  1. bem vindo...
    e nao estamos sós..podes crer

    ResponderEliminar
  2. Não sabe bem voltarmos onde nos sentimos bem? Mesmo sendo um blog é um espaço virtual onde as palavras ganham forma, dão sentido a algo que queremos partilhar e o resultado é mesmo isso, partilhar...

    *Hugs n' smiles*
    Carlos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não