Vejo Um Rio

Parece que estou sossegando
[ou talvez esteja inquieto no desassossego do não saber]
Starei talvez para morrer

[mas não me parece].
Há um cansaço novo e brando
[que mesmo assim me deixa de rastos na lassidão]

De tudo quanto quis querer
[mesmo sem saber o que queria querer]
.

[Mas haverá o dia que poderei dizer]
Há uma surpresa de me achar
Tão conformado com sentir.
Súbito vejo um rio
Entre arvoredo a luzir
[e nele encontro o meu caminho na serenidade do sossego do silêncio do som da natureza que me rodeia].


Fernando Pessoa (17-03-1929) - texto a preto

Comentários

  1. fernando pessoa será sempre fernando pessoa ;)bigada por este belo poema

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não