Only Time

O bater do coração ou o bater da melodia que marca o ritmo da vida como um sino que toca logo pela manhã, lembra-nos que ainda aqui estamos para viver e lembrar aqueles que outrora brincaram connosco, nos abraçaram, nos beijaram, nos ensinaram a viver, nos ensinaram a ser quem somos. Aqueles que por vezes não sabemos como definir, mas que o cair de uma lágrima seria o suficiente para nos mostrar toda a sua fulgência.
Não quero usar este texto para tocar nas feridas de ninguém, antes pelo contrário, pois o mínimo que há a fazer é mostrar o nosso respeito e a nossa compaixão e oferecer um abraço amarrado pelo sentimento de união e amizade perante a vida, o olhar para uma gota de água em frente a um raio de sol.
Sabemos que o relógio não volta para trás e temos de seguir em frente, o que não quer dizer que atiremos um balde de tinta branca para o que está atrás de nós! Não! Há que usar as cores que a vida já nos deu juntamente com a sabedoria transmitida e continuar a pintar a nossa porta, o nosso caminho e descobrir novas cores, mesmo que por vezes tudo esteja em tons de cinzento ou castanho, em que só nos apetece estar no meio do nada e deixar as lágrimas misturarem-se com a chuva.

Depois de escrever essas palavras surgiu a dúvida se as devia deixar aqui ou fazer delas apenas um pensamento...optei por deixá-las juntamente com um abraço.

Comentários

  1. :-) penso que diz tudo! Falando do que sinto, do que se passa à minha volta, é complicado num momento atirar um balde de tinta branca para o que está atrás de mim.

    As cores vão aparecendo, talvez tenha que ser eu a procurá-las. Talvez não…

    Quando uma dúvida nos assole podemos pensar sempre duas vezes. Podias não ter escrito essas palavras, mas fizeste-o. Se as palavras são apenas palavras só tu sabes mas será sempre mais que um pensamento porque foi escrito e foi partilhado.

    Obrigado!

    *Hugs n’ smiles*
    Carlos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

17.1 - Ilusões