Fool's Work

Todos nós sabemos, ou pelo menos deviamos saber; e digo isso porque talvez seja melhor deixar alguma margem de manobra para se pensar duas vezes quando queremos dar uma certeza acerca de qualquer coisa; que a vida nem sempre é fácil e até talvez o prato da balança rotulado de "momentos dificeis" seja aquele que está sempre mais próximo do chão, como um tronco de uma árvore, que já deu o seu contributo, já sem agasalho e a espreitar os grãos de terra intercalado com migalhas de relva como se uma lupa fosse usada para tal.

São alturas de desmoronamento em que parece que se acendeu a ponta do rastilho e a chama inicia a sua corrida e vai dançando o mais depressa que pode até encontrar a sua meta, deixando tudo ao cuidado dos alicerces que nos suportam e que nessas alturas se tornam frágeis e em risco de ruir. Agora é o bombear de pensamentos e emoções que surgem num ritmo frenético como o de uma fábrica onde não há sossego e onde as máquinas marcam o ritmo. Será que conseguimos acompanhar esse ritmo e produzir energia suficiente para fazer levantar o balão que nos continuará a levar nessa viagem? Há que tentar para se saber a resposta e até mesmo entrar nessa discussão com a própria vida, colocando-lhe a questão: "Haven’t I been good to you?"

Será que vamos obter alguma resposta?

"Fool's Work" de Inara George

Life can be hard, but it can be good to you
Saving all your money like a fool
But your know better
It can be cruel
Listen awhile, and I will sing to you
Tear apart my body and you’ll see
My heart is beating
And so I’m free

I’ve been good to you, I’ve been good to you
What have I put through? No, I’ve been good to you.
Haven’t I been good to you?

Take up your hands
Lift them off your eyes
Couldn’t it be wrong to think you’re mad?
With such a face now
How long and sad.
I learned way, I learned away from you.
From walking on a line, I keep some poise
But I’m all wrong now,
I make no noise?

I’ve been good to you, I’ve been good to you
What have I put through? No, I’ve been good to you.
Haven’t I been good to you?

Comentários

  1. “Wait for me
    And take me up in your hot air balloon
    And feed me cotton candy”

    Já cantava Chantal Kreavizuk e por imaginar-me num balão de ar, mesmo não tendo nuvens de algodão doce, não me importaria e o teu texto sem esquecer a música e as imagens do videoclip vão ao encontro de muita coisa que se passa À minha volta.

    Mas como a vida não é feita unicamente de uma volta, posso estar descansado, esta volta que está à minha frente está prestes a acabar…venha a próxima!

    *Hugs n’ smiles*
    Carlos

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pela visita.

    Pois o teu texto fala da dura realidade que é o dia-a-dia. O acordarmos e depararmo-nos com situações difíceis, às quais não conseguimos fugir. Agora a questão, como tu dizes, está nos alicerces... saber se vão aguentar ou ruir.
    Esperemos que o balão sempre tenha energia para seguirmos viagem... muitas vezes, é o que resta...

    Gostei deste espaço.
    Deixo beijos!

    ResponderEliminar
  3. Quem não encontra a felicidade em si mesmo, é inútil procurá-la em outro lado...

    Gostei do teu comentário,
    Parabéns pelo teu Blog
    Espero pela tua visita no meu.

    ResponderEliminar
  4. Porque será que, na nossa vida, damos sempre mais ênfase (para não dizer importância) aos momentos difíceis? Tudo gira em torno das dificuldades e esquecemos depressa o lado bom da vida.
    Parabéns pelas belíssimas palavras e pelo excelente blog!
    Vou voltar com toda a certeza!
    Obrigada pela visita!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não