Ausência

Há ausências que significam presenças. Presenças noutros lugares anteriormente desconhecidos e apenas imaginados, lugares construídos através de imagens, sons, ecos e fragmentos, mas nunca completos. Foi definitivamente uma boa experiência estar presente nessa ausência relativa e ter a oportunidade de encontrar instantes de novas vivências, novas reminiscências para guardar e mantê-las no baú o tempo que for possível [para sempre era o ideal].

Felizmente havia a companhia de pessoas que muito contribuíram para a construção dessas memórias e a elas deixo o meu agradecimento. Todos nós sabemos que a vida é preenchida por várias fases e por várias camadas e devido a isso nem sempre tudo o que acontece é do nosso agrado, no entanto é importante haver espaços de tempo em que existam estrelas que consigam fazer o baloiço adormecer em paralelo com o horizonte.


Ao longo do tempo vamos aprendendo a viver e a interpretar o mundo de maneira diferente, aprendendo a saber ver o mundo e a encontrar as coisas que muitas vezes estão lá à nossa frente e que por não conseguirem gritar "eu estou aqui!!" não as vemos, aprendendo a saber dar valor às coisas, e essa aprendizagem [da leitura do mundo e não só] deve-se principalmente às pessoas que estão do nosso lado e àquelas que mesmo não estando connosco fisicamente, também contribuíram para essa aprendizagem através da troca de ideias, da troca de experiências, da troca de fragmentos da sua existência. Graças as essas pessoas posso ir apanhando todas essas "migalhas" que vou encontrando pelo caminho e delas ir-me alimentando ao longo dos dias arranjando assim energia para seguir em frente.


É importante ter o nosso corredor preenchido com portas e janelas e mais importante ainda é conseguir vê-las, pois muitas vezes elas estão lá, mas podem estar escondidas por detrás de alguma cortina, tornando-se invisíveis, inúteis. Mas isso a meu ver é algo que pode acontecer com frequência e não é de um momento para o outro que conseguimos estar aptos para as detectar e sobretudo, para sabermos usufruir delas.

Comentários

  1. Como dizes as ausências significam presenças porque se sentimos a falta de alguém ou de algo, essa necessidade está em nós, não a podemos ignorar nem dar-lhe a importância que tem!

    As “migalhas” que falas servem de alimento. Nem sempre reflectem o que sentimos, mas o nosso ego, a nossa alma agradece e por saber que com essa migalhas não precisamos do “redbull” para termos asas, há formas de voarmos, de seguirmos em frente…

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante