Alegria e Tristeza

Foi com tristeza e alegria ao mesmo tempo que tive oportunidade de assistir e participar numa pequena cerimónia que contou com a participação e organização de algumas pessoas que ainda acreditam que é possível ajudar os outros.
Com alegria por ver pessoas que, com um pouco da sua boa disposição, um pouco do seu talento, um pouco da sua vontade de ajudar, um pouco de seu amor, conseguiram angariar fundos para contribuir para a compra de algo que uma menina, portadora de uma deficiência mental, estava a necessitar e que a família não tinha possibilidades de a dar. Uma cadeira de rodas.
E foi com tristeza por saber que há pessoas que não tiveram tanta sorte e terão de viver uma vida extremamente limitada. E por mais que tente perceber, acho que nunca conseguirei ter a noção exacta do que será viver fisicamente num mundo e mentalmente noutro. Infelizmente às vezes são só nessas alturas que sabemos dar valor a determinadas coisas que normalmente nem fazem parte dos nossos pensamentos do dia-a-dia.
Esperemos que a ajuda que foi dada hoje àquela menina lhe facilite a vida difícil que ela enfrenta todos os dias. Afinal de contas porque não haveremos de fazer isso mais vezes?! Dar um pouco de nós pode significar muito para alguém.

Comentários

  1. “Dar um pouco de nós pode significar muito para alguém.” Ora aí está uma frase que diz tudo. Falo por mim, não preciso de muito para sorrir e acredito que haja pessoas que poder ter vontade de o fazer, mas o que está à sua volta não deixa…os problemas têm essa capacidade. Sei disso porque quando não quero sorrir, quando fico resignado a eles (aos problemas) tenho noção do que está por detrás disso, mas nem sempre somos o suficientemente forte para carregar esse fardo. Por isso é bom lembrarmos que “Dar um pouco de nós pode significar muito para alguém.”!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não