Onde Está o "Wally"?...ou melhor, o Bob Sinclair

Há já vários meses que havia sendo feita publicidade para aquele que era suposto ser o evento do ano em São Miguel (sim, uma das ilhas dos Açores) o tão esperado concerto de Bob Sinclair e Gary "Nesta" Pine. Quem ouve a rádio, certamente que já estaria um pouco farto de tanto ouvir os anúncios a promover o espectáculo, mas dada a "dimensão" que pode alcançar um concerto do género até é compreensível a frequência dos mesmos na emissões radiofónicas. A verdade é que quem é "fã" do artista e quem gosta de umas noites de dança e diversão estava ansioso que chegasse o dia do concerto, que por sinal parecia não querer chegar. Os dias tiveram que passar e aquela sexta-feira já tinha chegado e as horas do dia ia passando em contagem decrescente, com as pessoas a deslocarem-se desde muito cedo até ao local do concerto, junto à praia.

Iam de carro, de mota, a pé, de autocarro (onde vários grupos de amigos mantinham a conversa comentando o que é que cada um levava para a festa, como se fossem aquelas festas de escola primária em que a professora pedia que cada um levasse um, o seu, lanche para a festa, só que aqui o conteúdo das mochilas, que iam a tilintar ao mais pequeno movimento que fosse feito, era diferente de há uns anos atrás.

A noite chegou e com ela acordaram as luzes que estavam adormecidas e que envolviam todo aquele espaço ao ar livre, fazendo do local uma "espécie" de discoteca enorme. Até à chegada do artista principal o pessoal foi dançando ao ritmo de vários Dj's/música "gravada". A noite ia-se prolongando e não havia sinais de Bob Sinclair, o pessoal já ia estranhando..."a que horas é que ele vai actuar?". É uma pergunta que muitos desistiram de fazer à medida que passavam as horas e sobretudo quando começou aquele que era o "tal" concerto. A festa começou de novo naquele momento em que Gary "Nesta" Pine subiu ao palco, juntamente com outro ou outros Dj's, para interpretarem os recentes êxitos deste ano e deste Verão. Segundo quem esteve presente na festa, o sentimento era o de terem sido enganados e de certa forma "roubados", uma vez que estavam na expectativa de assistir a uma coisa e afinal foi outra. Também ouviu-se histórias do palco estar constantemente coberto de fumo para supostamente, e isso talvez já seja a voz do povo a querer falar mais alto, esconder a ausência do artista principal. A empresa organizadora claro que refere que não era essa a intenção! Quanto ao facto de Bob Sinclair não ter aparecido, dizem que apenas tomaram conhecimento de que o artista não se poderia deslocar ao Açores por motivos de doença e cansaço(?!!!) uma hora antes do espectáculo e que por motivos de segurança não informaram as pessoas presentes no concerto. Claro que milhares de pessoas não iam aceitar isso, e com razão, pois houve quem tivesse de viajar de avião e pagar estadias, e não só, para poder assistir ao espectáculo. Assim sendo a empresa organizadora não fez mais do que a sua obrigação em devolver o dinheiro dos bilhetes a todos aqueles que estiveram presentes e se sentiam injustiçados. O que torna as coisas mais escuras é o facto de surgirem notícias que indicam que a empresa organizadora do espectáculo tomou conhecimento de que o artista não se poderia deslocar ao Açores, por motivos de agenda, no dia 6 de Julho, e que o concerto iria acontecer na mesma com o artista Gary "Nesta" Pine!! Será isso agora o jogo do rato e do gato?! Será isso sinónimo de "alguma" incompetência da parte de quem organizou o espectáculo, que mesmo depois de tomarem conhecimento da situação, continuaram com a divulgação do concerto?!

Para aqueles que não tiveram outras despesas para além do bilhete a situação até que acabou por não ser tão má quanto isso, pois acabaram por ter entrada livre no concerto e tiveram uma noite de bastante diversão com música e luz. E agora resta esperar que cumpram a promessa de um futuro concerto do mesmo nível com entrada livre! Isso se o artista ou a banda convidada puderem vir claro!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

17.1 - Ilusões