Visitas

Hoje ou ontem ou um dia desses recebi visitas mas não estava em casa. Não estava em casa, não abri a porta e não recebi as visitas que se calhar apareceram por lá. Não abri a porta e fiquei em casa sozinho à espera das visitas, a olhar o Tic-Tac do relógio e a ouvir os ponteiros a saltarem para cima e para baixo.

Se as visitas foram lá ficaram sozinhas porque eu não me deixei em casa e a minha sombra também não quis ficar porque ela insiste em estar sempre comigo e para onde quer que eu vá ela também quer ir e então aquele espaço ficou desocupado e sem sinais de qualquer presença ou passagem de fragmentos. Certamente que o vazio disse que não estava ninguém e por causa disso devem ter ido dar uma volta e visitar quem lhes abrisse a porta e desse as boas vindas com algo novo. Mas já resolvi esse problema porque alguém que foi lá deixou uma caixa de lápis de cor e agora mesmo que não esteja lá, quem lá for irá poder sentar-se no banco que desenhei debaixo da árvore em frente ao mar e a seguir à porta e ao lado da janela, e como se eu também lá estivesse poderá viajar por onde desejar seguindo o vento, as nuvens, os raios do sol e o som de um dia de primavera ou verão, ou talvez outro dia conforme a disposição de quem lá passa porque nem sempre um dia se sol e calor é o melhor.

Comentários

  1. …não resisto…visitas…umas agradáveis, mas quando não são penso nelas como se fossem moscas, e com um toque numa latinha de spray ou com um mata-moscas conseguimos ver-nos livre delas.

    Um toque na campainha, o bater na porta…enfim sinais que podem deixar qualquer um alarmado, mas quando são visitas agradáveis aí tudo muda…

    ResponderEliminar
  2. Ja a muito tempo nao passava os meus olhos aqui e tem alguns textos que nao percebo mas pronto... espero que nesse banco tenha um lugar pra mim e pro nosso AMOR. Beijos de quem tu sabes. só consegui escrever anónimo porque nao percebo nada disso. Lol.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante

17.1 - Ilusões