Firefly

E porque nós podemos dar uso aos nossos sentimentos, aliás, é bem provável que estejamos sempre a fazer isso mesmo que o façamos involuntariamente, por vezes somos confrontados com momentos fugazes que são ricos em algo que pode surgir do "nada" e que podem estar repletos de tanta coisa que só através do uso dos nossos sentimentos podemos descodificar.
Contudo a nossa imersão na abstração do que realmente é importante nem sempre nos deixa fazer traços perfeitos daquilo que está à nossa frente e é isso que é preciso não esquecer e tentar não deixar escapar o que está ali para nós e acho que agora posso dizer que não é preciso estar de noite para sabermos que os pirilampos existem e que podem estar mesmo ao nosso lado, sem terem que estar a gritar de tanto brilho. Esses momentos fugazes, que podem ser tão luminosos como o pirilampo numa noite escura em que as estrelas ficaram a dormir, podem querer dizer-nos tanta coisa quando são derramados num abraço, numa pancada ao de leve nas costas ou no braço, num beijo ou de outra forma qualquer, desde que nos faça ficar com um sorriso ou com os olhos inundados deixando-nos a flutuar ou "sentados". O que é certo é que ficarão guardados como se depois levassem um carimbo em cima do seu selo para que nao se perca e tenha sempre consigo a sua origem, o seu motivo, a sua força e as sementes que farão nascer seres semelhantes.

Não serão esses momentos capazes de se prolongarem por mais tempo, deixando em nós um conforto inexplicável? Não será possível fazê-los surgir com mais frequência? E porque não?

Comentários

  1. Porque não!Mas gostei bastante do que disseste.
    A metáfora, se é que se lhe pode chamar assim, dos pirilampos é muito iliminada.

    Este blog é muito porreiro.

    ResponderEliminar
  2. Tem graça, ontem enviei uma sms a desejar os parabéns a alguém e falei de pirilampos, e acabo de ler o teu texto, e encontro um outro sentido para esses bicharocos iluminados.

    Há uns dias um pirilampo escondeu-se dos meus cães dentro de casa, e após de olhar para ele incrédulo fiquei com a impressão que era daqueles momentos que nunca se iriam repetir…um pirilampo dentro de casa, onde o escuro passou a ter a presença de uma estrela esvoaçante…infelizmente foi um momentos apenas, não se prolongou até os nossos olhos se cansarem…

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante