Vidas Estendidas

É com alguma apreensão que diariamente me deparo com vidas desfeitas estendidas nas ruas do meu percurso entre o assento do meu carro e a cadeira do escritório. É com alguma apreensão porque acaba sempre por surgir algum pensamento que faz o tempo parar por uns segundos numa tentativa de ver o que está lá dentro. Às vezes vem à tona pedaços de possíveis passados tão incertos como o futuro, tentativas de reconstrução de vidas incógnitas que tendem para a transparência absoluta, se é que para determinadas pessoas já não o sejam; outras vezes surgem as ideias de possível apoio ou de quem o poderia fazer e não faz, ou talvez o faça mas sem resultado porque o estado de degradação já atingiu níveis quase irrecuperáveis limitando o 'estar aqui' a um abrir e fechar de olhos orgânico e inconsciente. Outras vezes também surge a ideia de inutilidade ou covardia no rosto dos espectadores, mas o que se pode fazer quando se sabe que existe um braço estendido que não querem segurar e serem puxados para cima? Não sei e acredito que aquelas vidas também não sabem porque é possível que isso já não seja algo que em que acreditam e então deixam-se aprisionar numa tentativa de libertação daquilo que possívelmente é a própria liberdade, a Vida.

Comentários

  1. Crês mesmo que a vida é a própria liberdade?!!

    ResponderEliminar
  2. Talvez se não encontrar-mos liberdade na vida, onde é que a vamos encontrar?!!
    No entanto sei que nessa liberdade por vezes só conseguimos ver as correntes que nos aprisionam e as paredes maciças que nos rodeiam e nessas alturas é dificil crer que a vida é a própria liberdade uma vez que está nos dando provas do inverso.

    (não sei se devia estar a comentar o meu próprio post, mas como ficou uma pergunta no ar)

    ResponderEliminar
  3. O Futuro é tão incerto com o tempo consegue ser. Ora faz sol ora o céu está nublado. Por vezes temos que esperar que o bom tempo volte para darmos um passeio ao ar livre...muitas vezes temos os encontros com as "Vidas Estendidas" e mesmo que não possamos fazer nada para mudar a situação delas, uma coisa podemos fazer, é imaginar o que seria de nós de estivessemos no lugar dessas pessoas.

    ResponderEliminar
  4. Percebi (?!) o teu post e é mais do q compreensível q te "sintas" qd passas por essas vidas estendidas e as tuas palavras "vida" e "liberdade", estão, relativamente, bem contextualizadas no que escreveste. Contudo, não consigo encarar a vida como sendo a própria liberdade...lamento,daí a pergunta.
    Quer dizer, acho qua lamento.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16.16 - Portugal - Campeão Europeu 2016

16.8 - John Verdon - Peter Pan tem que morrer ... ou não

16.14 - "Adoro" quando ... e as orelhas de elefante